Entrevistamos Katsuhiro Harada, produtor de Tekken

O produtor da série Tekken fala sobre crossovers, Pokkén e eSports
Katsuhiro Harada e Michael Murray
Katsuhiro Harada e Michael Murray © Kadu Araújo
Por Priscila Ganiko

Entre ciborgues, ninjas, bêbados, ursos e até mesmo personagens de outros jogos, Tekken construiu sua base de fãs com boas doses de humor e desafios para tornar-se um dos jogos de luta mais bem-sucedidos de todos os tempos. A série conta com mais de 10 jogos somando a série principal e seus spin-offs, além de diversos personagens marcantes e uma história que é capaz de dar um belo de um nó no cérebro.

O primeiro jogo da série foi lançado no final de 1994 como um arcade game e no ano seguinte foi adaptado para o primeiro PlayStation. Apesar de ter feito sucesso, foram os Tekken 2 e 3 que realmente ganharam as casas e os corações da galera, contando a história do torneio King of the Iron Fist, da empresa Mishima Zaibatsu e de todas as tretas da família Mishima que, acredite, são muitas.

Hoje já temos até adaptação cinematográfica da série, além de animações e quadrinhos. Com mais de 44 milhões de unidades vendidas, Tekken chega pela primeira vez aos computadores em Tekken 7, com suporte a 4K e a aparição mais do que especial do Akuma, original do Street Fighter, em sua história. Não, você não leu errado - Akuma estará envolvido na história de Tekken 7 e, portanto, agora também faz parte do universo da franquia.

“Há 7 anos começamos a cogitar o Akuma no Tekken, mas é porque o personagem realmente se encaixa no jogo”, conta Katsuhiro Harada, diretor e produtor que está envolvido nos Tekken há mais de 22 anos. “Incluir o Akuma foi algo que o time, como um todo, pensou por muito tempo antes de efetivamente fazer”.

“Gostamos de nos preparar com antecedência e pensar bastante sobre como envolvê-los no jogo, então não é algo como ‘ok, o Akuma é bem popular, então vamos trazer mais personagens do Street Fighter’ ou algo assim. Se fossemos fazer outro crossover precisaríamos de mais tempo para pensar como acrescentar o personagem no jogo. Mas estamos bem interessados em saber quem os fãs gostariam de ver no Tekken”, complementa Harada.

Aproveitando o embalo, o produtor também contou quem ele colocaria no game, se pudesse escolher qualquer personagem. “Ah, acho que o Capitão Price do Call of Duty, ele está presente desde o começo e é interessante ver suas mudanças de lá pra cá, passando pela Segunda Guerra”, conta ele. “E também o Ash J. Williams” completa, citando o protagonista do filme The Evil Dead, conhecido como Uma Noite Alucinante - A Morte do Demônio no Brasil.

Apesar da aceitação do público com a grande diversidade de personagens e participações especiais na série, Harada conta que nem sempre foi assim, principalmente quando o assunto é Gon, o dinossaurinho amarelo que faz uma aparição especial em Tekken 3. Ele revela que recebeu diversas mensagens pessoais reclamando do personagem, principalmente pela dificuldade em acertar golpes no pequeno dinossauro, e diz que até hoje não entende o fascínio que alguns fãs da série tem por Gon - que, inclusive, não deve voltar: Harada já afirmou em seu Twitter que a empresa não possui os direitos autorais para usá-lo.

Pokkén Tournament

E, por falar em direitos autorais, Harada também produziu Pokkén Tournament - aquele jogo de luta de Pokémon que apareceu na EVO 2016, em que você controla o próprio Pokémon enquanto troca socos, chutes e golpes com outros monstrinhos em uma arena. O jogo carrega influências de Tekken até no nome, mas Harada garante que boa parte do que está lá foi feito especificamente para Pokkén. “Ele tem a mesma tecnologia das animações, efeitos gráficos e do jeito que os personagens são controlados - a espinha dorsal, por assim dizer. Mas o sistema do jogo é algo que é bem único. Os primeiros protótipos [de Pokkén] eram muito mais próximos do Tekken, com ataques altos, médios e baixos, etc, mas eles não pareciam mesclar tão bem com os Pokémon, então o balanceamento teve que ser criado do zero, especificamente para os fãs da série”.

Mas os fãs de Tekken que quiserem se aventurar nas arenas Pokémon também encontrarão coisas conhecidas. “Alguns personagens tem ataques de Tekken. Um dos mais famosos é o Wind God Fist, marca registrada da família Mishima, usado pelo Pikachu. E essa ideia não partiu da gente, foi a Pokémon Company que disse ‘ei, achamos que seria muito legal se eles tivessem alguns dos golpes do Tekken’”.

eSports e cenário competitivo

Além de contar com personagens novos, Tekken 7 também terá mais foco no cenário competitivo - e, levando em consideração que o jogo já teve até participação no EVO 2016 apesar de estar disponível somente nos arcades japoneses, isso significa muita coisa.

“Tekken é considerado como um jogo competitivo há bastante tempo, não como eSport mas começamos nos arcades. Em jogos de luta, os jogadores sabem qual é sua estratégia mas para muita gente, como os espectadores, às vezes é difícil saber o que está acontecendo em termos de estratégia e os mind games entre os jogadores. Então, para tentar tornar as coisas mais visíveis e fáceis de enxergar, implementamos algumas mecânicas no game. A câmera lenta garante que as pessoas que estão assistindo consigam sentir a mesma emoção de quem acabou de fazer a jogada, e isso é realmente importante para os eSports”.

Michael Murray, game designer de Tekken, diz que não são apenas os acontecimentos dentro do jogo que importam quando o assunto é eSports. “O jogo já é bem interessante e divertido de assistir, mas também é muito legal quando você conhece as rivalidades. A Coréia e o Japão tem uma rivalidade mas quem não acompanha muito o cenário não vai saber disso. Então nós queremos mostrar mais das pessoas e de suas características, e explicar para o público o motivo daquela ser uma partida interessante”.

“Tudo começa com duas pessoas jogando em casa, e uma delas ganha da outra usando um personagem que qualquer um joga como o Feng Wei e daí quem perdeu fica super motivado a destruir o lutador com um counter pick. Essas coisas são interessantes quando você joga contra seus amigos mas eu acredito que elas também sejam interessantes de assistir numa escala maior também”.

O resultado disso tudo poderá ser visto no dia 2 de julho, quando Tekken 7 chega para PlayStation 4, Xbox One e PC.

Para mais conteúdo sobre games, siga a gente em @RedBullBR no Twitter e curta nossa página no Facebook.

read more about
Next Story