Bem-vindo à selva: Skate invade a Amazônia

Talentos internacionais atacam as ruas de Manaus antes da viagem de barco de 29 horas até Santarém
Por Sam McGuire

O sol se põe ao longo do Rio Amazonas enquanto Barney Page, Mason Silva, Korahn Gayle, Clint Walker, o filmmaker Marcos De Souza e eu nos esticamos nas nossas redes novinhas dentro do barco para contemplar Manaus desaparecendo no horizonte. Estamos apenas na primeira hora de nossa jornada, ainda faltam 28 horas de navegação até chegarmos na próxima cidade.

Existem duas maneiras de viajar pelo Amazonas: rio acima, indo do leste para o oeste, percurso longo e demorado, ou pegar a rota mais rápida, do oeste para o leste, aproveitando a corrente do rio.

Escolhemos a segunda opção, e nos reunimos em Manaus, o coração da Amazônia. A capital tem uma população de dois milhões de pessoas e se mostrou ser um grande começo de nossa viagem, com diversos picos.

Esquivando das pesadas tempestades, nós conseguimos explorar alguns dos melhores picos que Manaus tinha para oferecer antes de embarcar em uma aventura rio abaixo no Amazonas. É impossível não perguntar o que faremos nessa viagem de barco de 36 horas?

O mais importante é ter uma rede própria. Os barcos que navegam pelo Amazonas são na maioria grandes, com centenas de ganchos para os passageiros prenderem suas redes para descansar e dormir. 

Navegar de barco pode ser um pouco intenso, pois tem centenas de pessoas disputando o limitado espaço e um pouco de conforto ao longo da viagem, até a próxima cidade. Enquanto o sol se põe escutamos todos os tipos de histórias, risadas e muitos roncos. Comemos, bebemos e nos movimentamos como pudemos dentro desta fortaleza flutuante. Pouco a pouco vai sendo avistada a cidade através da selva. Estamos perto de atracar.

Volte na segunda-feira, dia 27 de março, para assistir nossa equipe de talentos em terra firma atacar os picos de Santarém durante os quatro dias de estadia antes de seguir viagem por mais 43 horas de barco até Belém!

#CruisingTheAmazon

Next Story