Surf de ondas grandes com a calma de um bom baiano

Lapo Coutinho encara as maiores ondas do mundo com toda a tranquilidade no ser; Veja Entrevista!
Lapo Coutinho surfando uma onda gigantesca ao por do sol
Lapo Coutinho, caçando gigantes © Arquivo Pessoal/Bruno Lemos
Por Maíra Pabst

 Das ondinhas na espuma em Ilhéus, para as gigantes mais cascudas do mundo. Esse é o início da história do baiano Lapo Coutinho. Ele começou a surfar na escolinha do seu pai, no litoral sul da Bahia, aos 4 anos de idade. Depois as próximas lições já seriam na meca do surf, Oahu, no Havaí.

Todas as férias escolares no Brasil, Lapo viajava para o arquipélago havaiano para ficar com seu pai, que se mudou para lá e ficou conhecido com o xerife, no North Shore. Lapo pai, é big surfer renomado, juiz da WSL e um cara bem envolvido na comunidade do surf, o que garantiu ainda mais boas influências para “Lapinho”.

“Lapinho”, o até então filho do cara, começou, aos 16 ou 17 anos, descer umas ondas de responsa. E logo logo, Lapinho já deixava o apelido para trás. Hoje, Lapo Coutinho é um dos maiores expoentes do big surf do país. Corre o mundo, junto com sua namorada Nicole Pacelli, atrás de ondas gigantes para surfar. No inverno de 2015/2016, chamou a atenção do mundo em Jaws. Agora, está em busca de outros desafios. Trocamos uma ideia com Lapo para conhecê-lo melhor e saber como andam suas andanças... Se liga na entrevisa:

Onde você foi criado e como começou a surfar? Como e quando você começou a surfar e a pegar mares maiores?

Nasci em Salvador. E quando eu era ainda bem pequeno, uns 4 anos, meu pai se mudou pra Ilhéus, litoral sul da Bahia. Lá ele abriu uma escolinha de surf. E em uma de minhas visitas a ele, aprendi a surfar com um longboard nas espumas da beira. Um ano depois ele foi pro Havaí, onde morou por muitos anos.

Aí passei a viajar pra lá todas as ferias de verão pra vê-lo. Foi assim que comecei a ver as ondas grandes... Comecei a ver que me dava melhor nos mares quando a ondulação subia Quando fiz 19 anos fui morar no Havaí e tentar pegar as ondas maiores mesmo.

Tive a sorte de ter um pai e um irmão mais velho, além de amigos muito envolvidos no surf e surfistas profissionais, aí pude absorver muita informação para por em prática nos dias de onda grande.

© Greg Huglin

 Você foi criado no Brasil, mas seu pai é conhecido como xerife no Havaí. Como a sua relação com seu pai lhe ajudou no surf?

Meu pai sempre gostou muito de surf e morou no Havaí por muito tempo, desde a década de 70. Cresci vendo os posters de Brock little e Eddie Aikau na parede de casa. Também cresci ouvindo as histórias dele e dos amigos sobre o Havaí e os dias de surf , acho que isso me influenciou bastante. Passar um tempo de minha infância no Havaí com ele também.. E me fez ter a sensação de estar em casa quando estou em Oahu.

No ano passado, você chamou muita atenção em Jaws. Como é a sua relação com aquela onda?

Jaws é a melhor onda grande do mundo e ano passado foi absurdo a quantidade de dias gigantes que tivemos por lá, com a presença do fenômeno El Niño. Foi bom ter a oportunidade de surfar a onda mais vezes do que o comum e começar a explorar coisas diferentes, sentar um pouco mais “deep” no pico ou tentar linhas um pouco mais agressivas... minha relação com aquele lugar é mágica , e tenho um respeito imenso ... Peguei as melhores ondas de minha vida ali e tomei os piores caldos também..

 Na sua opinião, qual foi o maior destaque da sua carreira?

Na minha opinião o inverno passado em Jaws foi o ápice de minha carreira até hoje. Fiquei feliz de dropar a minha maior onda da vida e uma das melhores ondas que já surfei, nos dias 15 e 11 de janeiro , respectivamente.

Talvez também o dia que estava em Fiji no swell de 2012 que parou o campeonato da WSL. Foi um dia histórico e acabei fazendo a capa da revista Hardcore e pegando um dos maiores tubos que já surfei na vida. Então, estou na dúvida entre esses dois momentos.... Hahaha

Em 2015 você venceu uma das maiores competições (Desafio Mormaii de Ondas Grandes) em Santa Catarina. Como é competir em um evento de ondas grandes no Brasil?

Competir no evento do Cardoso, pra mim foi especial . Nunca tinha ido para o sul do país. Foi uma sensação muito boa acordar e ver aquele mar. A onda é muito forte e intensa, com certeza um dos melhores picos brasileiros de onda grande ... Dias como aquele não são muito constantes no Brasil, então tentei aproveitar o máximo que pude .

 Você acha que o Brasil poderia ter mais eventos como este? Ou as condições não permitem?

Acho que o Brasil tem um potencial bom para campeonatos de onda grande ... Temos vários picos como Cardoso, Jaguaruna , Noronha, Maresias e Itacoatiara que produzem ondas grandes todo ano ... Esses são só os mais conhecidos , mas temos vários outros também pela costa ... Os eventos precisariam de um período de espera longo, e paciência dos organizadores/competidores para esperar o dia certo, porque não são muitos! Mas é possível e o campeonato do Cardoso de 2015 mostrou isso ... Espero que tenham mais alguns daqui pra frente .

Qual o pico de ondas grandes que você mais gosta de surfar e por que?

Acho que o pico de ondas grandes que eu mais gosto é Peahi, Jaws. Gosto do fato da onda ser esquerda e direita, água quente, azul, tubo e abrindo... hahaha É difícil achar todas essas qualidades em uma onda ... é muito desafiadora também. sempre te deixa com aquela sensação de adrenalina, tem que estar atento ao máximo o tempo todo. Sempre no limite. Prestando bastante atenção em tudo que faz... Mas quando tudo dá certo é a melhor!

 Como é namorar a Nicole que também é big rider?

Nicole é muito companheira , e surfa muito... Namorar com ela é muito bom!!! Hahahah Temos alguns objetivos parecidos nas nossas carreiras e conseguimos aproveitar várias situações que talvez um casal "normal" não faria... Ela é muito sinistra !! Já entramos juntos em mares muito grandes e é nítida a evolução que ela está tendo. É bonito de ser ver! Para mim, hoje em dia ela é uma das melhores big riders femininas do mundo, de stand up e gun!

Quem bota pilha em quem? Ela é mais atirada ou você?

Antigamente eu era bem mais atirado que ela ... Mas hoje em dia o negócio tá mudando...Tá me deixando preocupado ... hahaha! Mas sou feliz porque tenho certeza que algumas das melhores ondas da vida dela eu estava do lado gritando: Vaiiiiiiiiiii!!! E o contrário também !!

 Falar sobre MEDO é sempre uma pergunta recorrente para bigriders, e cada um fala uma coisa sobre o MEDO. Como é o “MEDO” para você?

O medo está presente sempre na vida do Big rider. É um mecanismo de defesa do ser humano e tudo gira em torno dele numa sessão de Big surf ... se você conseguir de uma forma controlá-lo e usá-lo a seu favor, (escolher a onda boa, não ir em fechedeiras , escapar de séries) você pode atingir os limites do seu surf e fazer sessões perfeitas . Mas de vez em quando, rola aquele momento que tudo está certo, conectado, em sintonia, e aí parece que o medo desaparece! É algo natural... E é geralmente nessa hora que aquelas ondas especiais acontecem!

Quais são seus objetivos a curto, médio e longo prazo?

Tenho alguns objetivos em minha carreira que não consegui ainda completar ... Meu principal é pegar um tubão em Jaws. É uma coisa que me fascina há um bom tempo... Há cerca de 5 anos! Apesar de várias tentativas , ainda não consegui fazer aquela onda exata que estou procurando. Passei perto algumas vezes mas acredito que consigo fazer melhor. Tenho que continuar focado no caminho.
E queria também correr um campeonato internacional de onda grande... Ganhei a vaga pra correr no ano passado , devido a minha vitória no Brasil. Mas infelizmente, esse evento da WSL, que seria no Oregon, não aconteceu. Deixou aquele gostinho na boca. E ver os brasileiros se dando bem no circuito esse ano aumentou ainda mais essa vontade !

O maior prazer que tenho é rodar o mundo atrás dos maiores tubos surfáveis que existem por aí. As expedições são o melhor do big surf, e os dias que eu estou surfando condições grandes, perfeitas e tubulares são o que me fazem estudar as condições e me preparar durante o ano todo. Trabalhar com isso é um sonho e meu objetivo para o futuro é continuar nessa estrada por um bom tempo!

read more about
Next Story