Stock Car em Tarumã: a comemoração do tricampeonato Luca Bassani/ Red Bull Photofiles

Talvez nem mesmo em seus sonhos mais otimistas Cacá Bueno pensou em conquistar o terceiro título de sua carreira na Copa Nextel Stock Car da maneira como ele veio nesse domingo (22/11) em Tarumã: com uma etapa de antecipação e com o companheiro de equipe Daniel Serra e o irmão Popó Bueno ao seu lado no pódio. Cacá foi o quarto colocado na prova vencida por Luciano Burti, que se tornou o 10º ganhador diferente em 11 etapas disputadas em 2009.

O resultado obtido por Cacá no Rio Grande do Sul levou o piloto da Red Bull Racing a 281 pontos no campeonato, total que não pode mais ser alcançado pelo segundo colocado, Allam Khodair, sexto em Tarumã e que agora soma 250, 31 a menos que Cacá – são 28 pontos em jogo a cada etapa da Stock. Já Serrinha subiu para quarto na tabela com 246, entrando de vez na briga pelo vice-campeonato. O terceiro agora é Burti, com 249.

O título de Cacá – a Red Bull Racing já era campeã de equipes por antecipação – veio em uma corrida que começou até tranquila para o agora tricampeão (2006/2007/2009). Saindo na pole, o piloto do carro #0 manteve a ponta, enquanto Serrinha era superado pelo terceiro no grid, Ricardo Maurício, adversário direto de Cacá no campeonato.

Maurício somente efetuou a ultrapassagem, porém, por adiantar-se ao carro de Daniel antes da linha de chegada, o que não é permitido em largadas atrás do carro de segurança – devido à pista ainda molhada, a direção de prova determinou que o início daria-se sob safety car.

Ricardinho foi punido com um drive-through, mas não chegou a cumprir a penalização: um pneu furado na sétima volta tirou o atual campeão da briga pelo bi. Restavam ainda Thiago Camilo e Khodair com possibilidades concretas de impedir o título por antecipação de Cacá.

A dupla da Red Bull Racing liderou sem grandes dificuldades até a volta 19, quando Cacá parou no box para reabastecimento e troca de dois pneus. Serrinha fez seu pit na volta seguinte, trocando também dois pneus e voltando à pista logo à frente do companheiro.

Em condições normais, Serrinha e Cacá tinham tudo para reeditar a dobradinha da sétima etapa do ano, no Rio de Janeiro. Mas um safety car na volta 24, provocado por acidente com Betinho Gresse, mudou o panorama da prova. Burti fez sua parada logo em seguida e acabou beneficiado, já que Serrinha e Cacá foram forçados a desacelerar pelo carro de segurança.

Ainda assim, Serrinha tinha boas perspectivas de atacar o ex-F1 pela vitória, uma vez que Burti não trocou pneus em sua parada. Outro safety car na volta 28 (acidente com Giuliano Losacco) e um terceiro na volta 33 (batida de Felipe Maluhy) acabaram ajudando Burti a poupar pneus, contudo.

Serrinha ainda forçou nas duas últimas voltas, cruzando a linha de chegada a apenas 0.250 de Burti, após 38 voltas. No último giro, Cacá ainda cedeu a terceira posição ao irmão Popó, que conquistou assim seu primeiro pódio da temporada. O piloto da Red Bull Racing é agora o terceiro maior campeão da história da Stock Car, empatado com o também tricampeão Chico Serra. Ingo Hoffmann (12 títulos) e Paulo Gomes (quatro) são os únicos à frente de Cacá.

Missão cumprida, temporada ainda não: Cacá e Serrinha vão em busca da última vitória do ano daqui a duas semanas, no dia 6/12 em Interlagos.


NA MINHA OPINIÃO...


Cacá Bueno, Red Bull Racing, Peugeot 307 #0: “Dormi até mal essa noite, estava um pouco ansioso para garantir esse título, por isso nem sonhei. Mas se tivesse sonhado, dificilmente teria acreditado que o dia de hoje poderia acontecer como aconteceu. Ganhar meu tricampeonato em uma pista histórica como Tarumã, com uma corrida de antecipação e com meu irmão e meu companheiro de equipe no pódio – não há como um dia ser mais perfeito.

“Foi uma corrida em que procurei manter a tranquilidade o tempo todo. Sabia que, ao trocar pneus na minha parada, dificilmente continuaria com chances de vitória, mas meu objetivo era outro: com pneus novos, tinha certeza que ninguém me ultrapassaria mais. E com o abandono do Ricardinho no início, e depois do Camilo, minha única verdadeira preocupação era chegar na frente do Khodair.

“Esse título tem um sabor muito especial. É o resultado de um trabalho duríssimo de toda uma equipe, e da crença de todas as partes envolvidas em um projeto a longo prazo, o que é raro no nosso automobilismo. Troquei de equipe no final do ano passado por que acreditava na competência da estrutura do Andreas Mattheis e do William Lube e no compromisso da Red Bull com o nosso esporte, e essa confiança de todos nós foi recompensada. Nosso carro esse ano foi um verdadeiro ‘tanque’, não quebrava de jeito nenhum...

“Ser tricampeão me iguala em número de títulos a um verdadeiro ‘monstro’ da Stock Car, Chico Serra. Meu sonho quando comecei a andar de kart era um dia estar brigando com aquelas lendas todas: Ingo Hoffmann, Paulo Gomes, Chico, Xandy Negrão... Ter hoje um lugar junto a eles na história da Stock Car significa demais para mim”.


Daniel Serra, Red Bull Racing, Peugeot 307 #29: “Foi uma corrida boa para mim. Em condições normais poderia ter vencido, mas automobilismo tem dessas coisas, é preciso ter um pouco de sorte. Sem tirar nenhum mérito do Burti, que foi rápido ao longo de toda prova, eu teria um carro mais rápido do que o dele nas voltas finais, já que ele não trocou pneus. Mas a sucessão de safety cars negou a vantagem que eu tinha por ter colocado pneus novos.

“Mesmo assim, estou satisfeito. Agora quero trabalhar forte em São Paulo para lutar pelo vice-campeonato e poder dar essa dobradinha para nossa equipe”.


CLASSIFICAÇÃO da SUPER FINAL:

1) CACÁ BUENO, 281
2) Allam Khodair, 250
3) Luciano Burti, 249
4) DANIEL SERRA, 246
5) Ricardo Mauricio, 244
6) Thiago Camilo, 243
7) Átila Abreu, 242
8) Valdeno Brito, 235
9) Marcos Gomes, 228
10) Max Wilson, 218

MAIS: http://www.redbullracing.com.br/


Comentários

    Adicionar um comentário

    * Todos os campos são obrigatórios
    Até 2000 caracteres :
    Escreva a palavra à esquerda e clique em "Publicar comentário":

    Detalhes