Wolfgang Gullich na via Separate Reality
© Heinz Zak
Escalada

10 escaladas sem proteção mais épicas da História

Prenda a respiração: você irá ver com seus próprios olhos algumas das conquistas mais lendárias, assustadoras e insanas de todos os tempos
Escrito por Will Gray
6 min de leituraPublicado em
Existem poucos feitos no mundo mais desafiadores e com um contato mais próximo com a morte do que a escalada solo: a arte de escalar paredões rochosos traiçoeiros com nada além de suas mãos e pés prevenindo uma possível queda fatal.  
Esta disciplina, que inclui aventuras sobre pequenas rochas até montanhas inteiras, ficou em evidência quando Alex Honnold conquistou a famosa via "El Capitán", no Parque Nacional de Yosemite, na Califórnia, no começo deste ano em modo solo.
Com a ajuda de Austin Howell, escalador solo e ávido pesquisador deste ramo esportivo, compilamos algumas das conquistas solos mais impressionantes da História. Confira-as abaixo.

Apenas mãos e pés no El Capitán

  • Onde: Yosemite, Estados Unidos
  • Escalador: Alex Honnold
  • Ano: 2017
Este feito de cair o queixo foi realizado pela superestrela da ascensão sola Alex Honnold, o americano com então 31 anos de idade, sobre um paredão de granito de 915 metros de altura sobre uma icônica montanha norte-americana, utilizando-se nada além de suas mãos, sapatos e uma mochila com pó de giz. Após esta conquista, Alex afirmou que a via de graduação 9b (Brasil) foi "de longe a mais difícil" e que "foi incrível pra ca**te". Como ele conseguiu fazer isso? "Eu fiz apenas o que geralmente faço, mas sem uma corda desta vez", comenta.
A escalada solo era observada como o "próximo passo" mais óbvio na escalada, mas todos nós ainda imaginávamos se ela aconteceria de fato. Surpreendente foi ela ter demorado tanto tempo para surgir.
Austin Howell
Quer saber um pouco mais sobre a escalada solo de Hannold? Ouça este Podcast (em inglês).

Widow's Tears (Lágrimas da Viúva)

A renomada via Widow's Tears é uma via perene que se forma, às vezes, no inverno. O escalador Vitaliy Musiyenko a conquistou em 2016
Widow's Tears
  • Onde: Yosemite, Estados Unidos
  • Escalador: Vitaliy Musiyenko
  • Ano: 2016
Esta imensa via de gelo de 305 metros raramente é formada, mas quando de fato se cristalizou no Réveillon de 2016/2017, Vitaliy Musiyenko - o escalador californiano nascido na Ucrânia - sentou a picareta de gelo e a conquistou. Ele admitiu mais tarde que: "tudo o que eu queria era escalar a via. Se tivesse uma comitiva na base da via disposta a escalá-la com cordas, eu provavelmente a teria escalado com cordas com eles". Mas não havia ninguém, por isso ele fez tudo sozinho.

Cnoc na Mara (Colina do Mar)

Passo 1: Reme até o rochedo. Passo 2: Comece a escalada. Passo 3: Olhe para baixo
Cnoc na Mara
  • Onde: Donegal, República da Irlanda
  • Escalador: Iain Miller
  • Ano: 2016
Essa torre de 100 metros sobre o mar da Irlanda, conhecida como Cnoc na Mara, exige técnica. Não apenas porque você tem que remar sobre o mar para chegar até lá. Sua primeira conquista foi feita em 2008 e, desde então, apenas cerca de 30 pessoas repetiram o feito. Iain Miller expressou seus comentários após a ascensão: "Eu levei 10 anos para conceber qual seria a abordagem correta até contemplar esta via como uma escalada solo".
Enquanto escalada solo, ela não é tão notável. Mas eu adorei a mensagem de liberdade transmitida no vídeo, com toda esta mistura de luta, escalada solo e canoagem de maneira bem bacana. Esse cara tem um quê especial e eu curti isso
Austin Howell

Chiaro di Luna (Luz da Lua)

Com 23 anos de idade, a escaladora Brette Harrington escalou sem proteção a via Chiaro di Luna (7a - Brasil) na Patagônia argentina.
Chiaro di Luna
  • Onde: Maciço de Fitzroy, Patagônia, Argentina
  • Escaladora: Brette Harrington
  • Ano: 2016
O Fitzroy é um dos maciços mais icônicos da Patagônia argentina e Brette Harrington, a californiana de 23 anos, foi a primeira a realizar uma escalada solo sobre esta via de 762 metros, classificada como uma 7a (Brasil). "Eu não gostaria de vivenciar aquilo todos os dias", disse ela. "Isso seria demais para mim, mas é um desafio bem legal, uma vez ou outra, para descobrir em que nível mental você se encontra".
Esta é, sem dúvida alguma, uma das escaladas solos mais legais feitas por uma mulher, e notável para todo mundo enquanto um dos poucos solos já feitos sobre as grandes montanhas da Patagônia. Um 10/10.
Austin Howell

Torre Cayan

Escalada-livre de Alain Robert na Torre Canyan em Dubai foi algo fora de série
Alain Robert escalando a Torre Canyan em Dubai
  • Onde: Dubai, Emirados Árabes Unidos
  • Escalador: Alain Robert
  • Ano: 2015
Não se trata se uma escalada qualquer, esta conquista sobre um arranha-céu de 75 andares se tornou a escalada solo urbana mais alta do mundo e foi realizada pelo Alain "Homem-Aranha" Robert em 1,5 hora. O lendário escalador-solo começou com paredões rochosos há 25 anos, quando ele conquistou seu primeiro solo numa via 8b (10b Brasil), num dos "solos mais loucos de todos os tempos" sobre a 'La nuit du Lézard' em Bijoux, França. Ele também escalou o Sears Tower, o London's Shard, as Torres Petronas e o Burj Khalifa (o maior prédio do mundo) em Dubai, entre outros.
É uma arte bem interessante esta que o Alain vem desenvolvendo, e vale notar que ele foi um dos maiores escaladores solo sobre rochas nos anos 1990. Se alguém dissesse que o Alain é um dos melhores de todos os tempos, seria muito difícil provar o contrário.
Austin Howell

Face Norte da Eiger

  • Onde: Suíça
  • Escaladores: Ueli Steck e Dean Potter
  • Ano: 2008
Uma das escaladas mais infames da Europa, este paredão majestoso de gelo e calcário foi conquistado em escaladas solos por duas lendas que já faleceram. O speed-climber Ueli Steck escalou a via Heckmair - normalmente realizada numa escalada de três dias - em 2 horas e 47 minutos, enquanto o americano Dean Potter realizou o primeiro freeBASE (escalada solo com um paraquedas) na via Deep Blue Sea, de cotação 5.12 (8a Brasil). Potter afirmou que ter um paraquedas foi "muito melhor porque, numa escalada solo, você sabe que é o fim se você se desconectar da rocha".
Dois estilos muito diferentes entre si. Steck realizou o solo durante o inverno com piolets [picareta de gelo] e crampons [botas com pinos], enquanto Potter o fez sobre a rocha seca no verão. Isto reitera o fato de como cada pessoa faz a sua própria abordagem numa escalada solo.
Austin Howell

Via Attraverso il Pesce (Através do Peixe)

Hansjörg Auer realizou uma escalada sem proteção na via de 850m chamada Via Attraverso il Pesce, nas Dolomitas italianas em 2007
Via Attraverso il Pesce
  • Onde: Marmolada, Dolomitas italianas
  • Escalador: Hansjörg Auer
  • Ano: 2007
Esta escalada de 850 metros inclui uma saliência em forma de peixe que dá o nome à via e, na época, era uma das vias solos mais difíceis escaladas até então. Hansjörg Auer levou menos de três horas para completá-la e afirmou: "Eu levei alguns dias para entender de fato o que eu havia conquistado. Senti um vazio imenso no topo, combinado com uma sensação inimaginável de sorte".
Muitas pessoas comparam esta escalada com a ascensão de Honnold no 'El Capitán'. Sendo "apenas" dois graus mais difíceis, o Marmolada possui mais apoios de apoio e menos segurança, o que a torna uma via solo mais difícil. Esta foi possivelmente a escalada solo de múltiplas etapas mais difíceis até então
Austin Howell

Kommunist (Comunista)

Escalador Alexander Huber escala a via Kommunist in Tyrol sem proteção na Áustria em 2004.
Alexander Huber conquista a Kommunist in Tyrol
  • Onde: Schleierwasserfall, Wilder Kaiser, Tirol, Áustria
  • Escalador: Alexander Huber
  • Ano: 2004
Esta via cotada como uma 5.14a (10c Brasil), conquistada pelo bavariano Alexander Huber, elevou os níveis da escalada solo, mesmo que seu ponto mais difícil esteja a apenas 10 metros do chão. Ele a conquistou sem nenhuma proteção contra quedas e trabalhou sobre a via até estar no controle total sobre ela. "Eu estava convicto de que não iria cair", diz Alexander. "Mas você nunca sabe 100%. Aquela pontinha de perigo é a essência do alpinismo e da escalada".
A escalada solo mais difícil já realizada, e nenhuma lista estaria completa sem ela, com uma particularidade interessante que sua cotação não é um fator absoluto. O próprio Huber admitiu que a escalada solo de Alain Robert sobre o 'La nuit du Lézard' foi muito mais impressionante com uma via 10a (cotação brasileira)
Austin Howell

Bear's Reach (Alcance do Urso)

  • Onde: Lover's Leap, Lago Tahoe, Califórnia, EUA
  • Escalador: Dan Osman
  • Ano: 1997
Esta clássica via técnica foi batizada por seu ponto de acesso mais difícil, na segunda etapa da subida, num espaço enorme entre dois apoios de mãos que Dan Osman realizou em sua famosa ascensão-rápida de 4 minutos e 25 segundos. Alex Honnold repetiu a façanha 10 anos depois, batendo o recorde anterior em 10 segundos. "Eu escalei a via quatro vezes naquele dia", disse ele ao portal planetmountain.com. "A cada vez eu ia o mais rápido que podia e então retornava ao chão devagar. 4 minutos e 15 segundos foi durante o meu último gás".
Esta foi absolutamente incrível! Lá nos anos 90, ninguém sequer teria imaginado fazer algo assim. Dizem que a ideia surgiu quando Osman ouviu alguém dizer num bar local que ninguém conseguiria escalar o Bear's Reach em menos de seis horas. Então ele afirmou que conseguiria fazê-lo em menos de seis minutos!
Austin Howell

Separate Reality (Realidade Separada)

Heinz Zak captura um momento incrível de escalada-livre de Wolfgang Gullichna via Separate Reality Parque Nacional de Yosemite, Califórnia, Estados Unidos
Wolfgang Gullich na via Separate Reality
  • Onde: Yosemite, Califórnia, EUA
  • Escalador: Wolfgang Gullich
  • Ano: 1986
Famosa por suas saliências expostas, este pedaço de rocha se situa a perigosos 200 metros sobre o rio Merced. Fora Wolfgang Gullich quem a conquistou pela primeira vez em modo solo, mas o "prêmio" também se estende a Heinz Zak, Dean Potter e Alex Honnold que também fizeram a ascensão solo. Ao chegar no topo, Gullich afirmou: "De repente fiquei com a impressão de que não se tratava de uma aposta com a minha própria vida, não foi algo objetivamente perigoso. É o pensamento da morte que nos ensina o valor da vida".
De certa maneira, este é um solo perfeito. Apenas cinco pessoas já o realizaram. Ele requer comprometimento desde o primeiro passo e termina numa inversão pés-sobre-cabeça. Cada parte desta escalada poderia ser classificada como o apoio mais exposto da Terra
Austin Howell
Segure-se firme no mundo da aventura. Confira a nossa página oficial no Facebook