Felipe Camargo conquista a Pedra Riscada
© Marcelo Maragni/Red Bull Content Pool
Escalada

O mundo nas mãos de Felipe Camargo

Acompanhe a trajetória do escalador número 1 brasileiro e entenda como ele chegou lá - e foi além!
Escrito por Francisco Cremonese
4 min de leituraPublicado em
O mundo nas mãos de Felipe Camargo
O mundo nas mãos de Felipe Camargo
"Esse menino vai alto!" poderia ser a descrição de trabalho do jovem Felipe Camargo, o atual atleta número um brasileiro em escalada. Mas para sermos totalmente fiéis à carreira de Felipinho e aos seus títulos internacionalmente já consagrados, afirmamos ainda mais: esse menino vai longe!
Ano após ano, o garoto Pikuira - como é conhecido pelos amigos - vem se destacando nas mais diversas vias e modalidades desse esporte, colocando o Brasil no mapa mundial dos grandes atletas de escalada. Em sua última conquista no campeonato Ultimate Beastmaster Brasil, promovido pela Netflix, ele enfrentou mais de 100 competidores nacionais e de outros 5 países e fez jus ao título de mestre da escalada brasileiro.
Conversamos com Felipe Camargo para sabermos um pouco mais sobre este e outros momentos que marcaram a vida deste jovem atleta. Confira.

Ele bem que avisou...

"Não sabia direito como ia ser [o Beastmaster], eles não tinham me dado muitos detalhes, mas topei, 'vamos ver isso aí!' - pensei". E assim Felipe Camargo entrou para a competição, ao lado de outros 107 concorrentes de diversos países. O escalador também confessa que não se preparou especialmente para a prova pois estava muito ocupado com outro projeto em Minas Gerais, na conquista da via Pedra Riscada (vide carreira abaixo).
“Teve uns obstáculos que eu achei que não ia ganhar, mas fiz tranquilo, sem pressão, sem me preocupar em ganhar”, comenta Felipe. E, embora ele mesmo tenha duvidado por alguns momentos de sua capacidade de angariar o título principal, especialmente por conta das outras provas para além da escalada, notava-se desde o começo que o topo do pódio era seu lugar - e era inevitável.

Mas toda história tem um começo

Retrato do escalador Felipe Camargo
Aos 14, ele conquistou seu 1º título internacional
Ao perguntarmos sobre um momento de destaque em sua carreira, Felipe logo dispara: "Quando eu ganhei o Campeonato Sulamericano Juvenil, na Guatemala, em 2006 - quando eu tinha 14 anos - e foi um momento bem marcante. Foi o meu primeiro campeonato internacional". Dois anos mais tarde, entraria para o hall da fama ao se tornar o primeiro brasileiro a escalar uma via 11a, conhecida como "Ali Hulk", em Rodellar (Espanha), com apenas 16 anos de idade.
Era um grau que tinha uma barreira grande no Brasil, fazia alguns anos que a galera não ultrapassava essa barreira, ficavam no 10c - e eu fui o primeiro brasileiro a escalar uma via 11a
Felipe Camargo
Seguiu caminhando - ou melhor, escalando - a sua paixão e em 2013, venceu o Máster de Boulder em Santiago do Chile - considerado campeonato sulamericano de boulder, por conta de seu prestígio internacional.
Em território nacional, ele abriu novas fronteiras ao escalar no dia 14 de julho de 2014 o boulder mais difícil da América do Sul - localizado na praia de Fortaleza, em Ubatuba (SP) - com uma graduação dificílima de 8c (V15).

Um ano dos sonhos

Felipe Camargo dormindo no portaledge enquanto conquista a via Pedra Riscada em Minas Gerais
Para um pouquinho, descansa um pouquinho...!
No ano passado, ainda em território nacional, o jovem Felipe se juntou a sua amiga e atleta de escalada Sasha Digiulian e juntos dominaram o maior paredão rochoso da América Latina, na via Pedra Riscada, com 1.260 metros de altura.
Mais tarde, para não perder o pique, ele deixou o tradicional bondinho carioca de lado para alcançar, nas mãos, o topo do morro do Pão de Açúcar e ensinou ao mundo como é que se faz para chegar lá.
E enquanto a maioria de nós apenas desejava o fim de 2016, do outro lado do mundo, Felipinho causou frisson entre seus companheiros escaladores e admiradores ao se tornar a segunda pessoa no mundo a conquistar a famosa via "Corazón de Ensueño" ("Coração do Sonho", de graduação 11a) ao lado de outra companhia norte-americana, Alex Honnold, no vale de Getu, na China. Antes dele, somente o espanhol Dani Andrada - o encadenador da via - havia realizado o feito.
Isso tudo evidencia o fato de que quando se é realmente apaixonado pelo que faz, não há paredes, paredões, rochas ou montanhas que atrapalhem o seu desejo de chegar lá. No caso de Felipe Camargo, ele chegou, bradou vitória e está indo além.
Vai que é tua Felipinho, o mundo é todo seu.