Nasser Al-Attiyah [à dir.] e o navegador Matthieu Baumel
© Flavien Duhamel / Red Bull Content Pool
Rally

Sua majestade Nasser Al-Attiyah: o novo rei do Dakar

Príncipe catari liderou o maior rali do mundo de ponta a ponta
Escrito por Gabriel Curty
3 min de leituraPublicado em
Três pilotos começaram o Rali Dakar 2022 como favoritos destacados na competição entre os carros. Dois deles, porém, tiveram problemas logo de cara. Era tudo o que o catari Nasser Al-Attiyah precisava pra fazer um grande passeio de duas semanas pelo deserto da Arábia Saudita: o maior rali do mundo coroou nesta sexta-feira um novo tetracampeão.
Mais jovem do trio de veterano que vem dominando o Dakar, Nasser Al-Attiyah tem 51 anos e aproveitou dificuldades enfrentadas por Stéphane Peterhansel (56) e Carlos Sainz (59) nas primeiras especiais. Conseguiu um feito raro ao liderar o rali de ponta a ponta: assumiu a liderança logo na primeira etapa e de lá não saiu mais.

Carros

Nasser Al-Attiyah, tetracampeão, dominou o deserto saudita
Nasser Al-Attiyah, tetracampeão, dominou o deserto saudita
Sébastien Loeb, nove vezes campeão mundial: vice no Dakar pela segunda vez
Sébastien Loeb, nove vezes campeão mundial: vice no Dakar pela segunda vez
Pra explicar o passeio do Nasser, é preciso voltar à primeira etapa. Normalmente, a primeira especial (trecho cronometrado), não costuma ter grande impacto na disputa. Mas, este ano, o catari venceu com seu Toyota e viu Sainz e Peterhansel distantes.
A dupla da Audi teve dificuldade em boa parte da primeira semana, mas basicamente deu adeus ao título na primeira especial. Para Sainz, um desvio de rota custou coisa de 2 horas no tempo total. No caso de Peterhansel, pior ainda, já que um acidente fez o francês, 14 vezes campeão, ter um atraso de 4 horas.
Sem os dois rivais históricos, Nasser, ao lado do navegador Matthieu Baumel, tratou de administrar tudo, mantendo sempre distância acima de 30 minutos pra Sébastien Loeb que virou seu principal adversário. Nove vezes campeão mundial, Loeb foi vice-campeão pela segunda vez, seu melhor resultado. O saudita Yazeed Al-Rajhi foi terceiro.
Foi um Dakar incrível, uma competição rara, sem grandes complicações
Nasser Al-Attiyah
Al-Attiyah, Peterhansel e Sainz formam possivelmente o maior trio que já disputou o Dakar. E o equilíbrio entre eles é inacreditável: cada um deles venceu duas vezes nos últimos seis anos. E desde 2020 foi uma vitória pra cada um. Mesmo com o problema no início, Sainz teve uma reação espetacular e terminou em 12°. Peterhansel, que correu pela Audi assim como o espanhol, chegou a ficar fora dos 70 primeiros, mas acabou em 55°
"Não sou exatamente um cara que fica em cima de vitórias em especiais, mas cada um dos pilotos da Audi [Peterhansel, Sainz e o sueco Mattias Ekström] venceu ao menos uma e isso é fantástico", disse Peterhansel.

Motos

Sam Sunderland, bicampeão do Dakar
Sam Sunderland, bicampeão do Dakar
Sam Sunderland foi quem mais liderou o Dakar nas motos, mas não que tenha sido fácil para o novo bicampeão. O fim da disputa foi dramático. O inglês perdeu a ponta no início da semana final e tudo virou um sobe-desce com troca diária de liderança. Sam foi campeão com uma vantagem de apenas 3min27s pro chileno Pablo Quintanilla. O austríaco Matthias Walkner foi terceiro, a 6min47s.

Caminhões

Em 2022, Dmitry Sotnikov venceu o Dakar pela segunda vez seguida
Em 2022, Dmitry Sotnikov venceu o Dakar pela segunda vez seguida
A tradicional briga russa nos caminhões durou até o último dia. No fim, levou a melhor o trio puxado por Dmitry Sotnikov, que realmente foi quem mais tempo passou na dianteira e ganhou seu segundo título consecutivo. Os esforços de Eduard Nikolaev renderam o segundo lugar, com o top-4 todo formado pelo país que domina a categoria com caminhões Kamaz: Anton Shibalov foi terceiro, e Andrey Karginov, quarto.
Baixe agora o app da Red Bull TV e tenha acesso a vídeos, filmes e séries!