F1

Primeira vitória da Jordan teve "truco" de Hill

Pelo rádio, britânico disse que a equipe poderia terminar sem nada, se deixasse Ralf atacá-lo
Escrito por Tiago Mendonça
Publicado em
Hill levou a Jordan ao lugar mais alto do pódio
Hill levou a Jordan ao lugar mais alto do pódio
Talvez tenha sido o jeitão despachado do chefe de equipe, Eddie Jordan; as ações de marketing, levando garotas lindas para posar perto dos carros; ou aquela luta constante para se tornar uma grande equipe. O fato é que a Jordan entrou para a história da Fórmula 1 como um dos times mais legais que já passaram pela categoria.
Embora tenha promovido a estreia de Michael Schumacher, em 1991, e alcançado dois pódios e uma pole position com Rubens Barrichello em 1994 e 1995, a melhor fase da Jordan viria mesmo no final daquela década.
Em 30 de agosto de 1998, eles venceram pela primeira vez, depois de um caótico Grande Prêmio da Bélgica, disputado sob chuva em Spa-Francorchamps. As coisas começaram agitadas por um acidente bizarro na largada. E mais tarde ainda teve uma viajada de Michael Schumacher, que liderava a prova com folga e bateu no retardatário David Coulthard.
A Jordan estava lá, no lugar certo, na hora certa, para aproveitar a oportunidade. O campeão mundial Damon Hill era piloto da equipe na época. E foi ele quem passou a liderar a corrida, tendo Ralf Schumacher, companheiro de equipe, logo atrás. Seria uma dobradinha histórica para a equipe dos carros amarelos.
Mas o problema é que Ralf queria mais e começou a reduzir a diferença para Hill, incentivado pelo próprio time. Hill usou a experiência e a própria força para evitar o que poderia ter sido um desastre. Pelo rádio, trucou Eddie Jordan.
“Eu vou colocar uma coisa aqui, e é bom vocês ouvirem. Se nós corrermos um contra o outro, podemos terminar sem nada. Então, é com o Eddie. Se não disputarmos, temos a chance de terminar em primeiro e segundo. A escolha é de vocês”, disparou.
Aparentemente, essa não era a vontade da Jordan, que dava condições iguais aos seus dois pilotos. Mas eles não quiseram arriscar e embarcaram na “sugestão” de Hill. A equipe imediatamente comunicou Ralf da decisão, de não permitir que ele ultrapassasse o companheiro de equipe.
E aí foi um climão desgraçado, que você pode ver abaixo.
Sem sustos, Damon Hill venceu. Ralf Schumacher teve de se contentar com o segundo lugar. Ele já estava de saída da Jordan: tinha contrato na mesa para correr pela Williams em 1999.
Aquela primeira vitória deu novos rumos para a Jordan. Na temporada seguinte, Hill já estava pronto para a aposentadoria, mas o novo companheiro de equipe dele, Heinz-Harald Frentzen, ganhou duas corridas e chegou a brigar pelo título. A Jordan terminou em terceiro no Mundial de Construtores, atrás da Ferrari e da McLaren, no melhor desempenho da história.
Daí pra frente, as coisas foram piorando, a grana encurtando e a Jordan deixou a categoria em 2005, dando origem ao que hoje é a Force India.
Antes, deu tempo de vencer outra prova: aquele GP do Brasil de 2003, com Giancarlo Fisichella. Foi uma corrida igualmente muito confusa, encerrada em bandeira vermelha em função de um acidente envolvendo Fernando Alonso. Fisichella só foi receber o troféu uma semana depois. É que na hora a direção de prova se atrapalhou e apontou Kimi Raikkonen, da McLaren, como vencedor.
Fala aí: a Jordan era muito carisma
Fala aí: a Jordan era muito carisma