O contra-ataque fluido deixa o adversário vulnerável na defesa
© Sega
Games

5 coisas que dão mais gozo no Football Manager

Conquistar campeonatos no FM? Sabe a pouco. Estes projetos e desafios adicionam tempero ao jogo.
Escrito por Equipa Redbull.pt
Publicado a
Com o lançamento de uma nova edição de Football Manager ano após ano, é possível que as coisas se tornem algo aborrecidas caso te limites a jogar sempre da mesma forma. Por vezes, é preciso adicionar fatores ou estabelecer objetivos megalómanos para dar um sabor extra ao jogo ou simplesmente poder esfregar os feitos na cara dos amigos. Nesta lista, juntamos cinco dos que mais gozo dão fazer no Football Manager.

Levar *aquele* miúdo até ao estrelato… Depois de o descobrir na 2ª divisão da Sérvia

Chama-se Marko Djurikovic, tem 16 anos, foi gerado pelo próprio FM e atua nas camadas jovens de um clube sérvio da 2ª divisão, que, por alguma razão, se decide investigar. Clica-se no nome do miúdo porque sim e, depois de se passar os olhos pelos seus dados, fixa-se no potencial: cinco estrelas. A contratação é obrigatória. Dez épocas depois, após uma forte aposta nos seus talentos, Djurikovic já venceu três Bolas de Ouro e assegurou todos os troféus e mais alguns. E tu, lá no fundo, sentes-te um treinador com visão. Não ganhas só títulos: também fazes craques.

Pegar na equipa da terra e ir para o infinito… E mais além

Se pegar numa equipa pequena e conseguir levá-la aos grandes palcos do futebol já é uma sensação especial, ainda mais o é quando o fazes com o clube da tua terra. Na vida real, encontra-se nos escalões inferiores e provavelmente nunca irá atingir o estatuto de grande. Por isso, sabe bem construir um mundo alternativo em que o teu clube local se transforma num colosso nacional e, quem sabe, internacional, após teres começado com pouquíssimos meios. Requer bastante dedicação e persistência, é certo, mas, no final, vais sentir-te orgulhoso de poderes ter trazido essa glória à tua terra… Ainda que seja apenas num jogo de computador.

Ter um estádio com o próprio nome

Parte da beleza de jogar FM é poderes gabar-te das conquistas. Visto que é um jogo que requer um tempo e dedicação acima da média, tudo aquilo que se consegue alcançar é motivo para contar aos amigos que também jogam. No entanto, não há nada que te permita ostentar como o teu clube dar o teu nome ao estádio. Estás a imaginar a pinta, não estás? O teu amigo conquistou três ‘Champions’ seguidas? “Big deal”. Tu tens um estádio com o teu nome!
O feito sabe bem pois é particularmente difícil de conseguir. Em suma, tens que levar o teu clube a glória que nunca pensou conseguir atingir, tornando-te a personalidade mais importante da sua história. Leva muitas, muitas épocas, mas fará de ti o ‘rei do FM’ do teu grupo de amigos.

Esbanjar dinheiro numa super-equipa

Todos os projetos e desafios acima são muito porreiros de se fazer e traduzem-se em horas e horas de jogo, mas não são propriamente bons para descomprimir. Quem nunca disse ‘que se lixe isto’ e começou outra ‘save’ com um mega-colosso europeu só para fazer a super-equipa de todas as super-equipas. Orçamento de transferências? É o que tu quiseres. Messi? Adquirido. Ronaldo? Garantido. Neymar? Contratado. Mbappé? Podes ter a certeza de que vai ser com-pra-do. No final, tens mais craques per capita do que qualquer clube e a tua equipa B é capaz de limpar a Liga dos Campeões com facilidade. Vences tudo o que há para vencer, voltas a fazê-lo só porque sim e sentes-te bem contigo mesmo. És dono e senhor do mundo do futebol. A vida é bela.

Virar o jogo na segunda-parte

Quem nunca gritou de alegria depois de virar um jogo contra uma equipa que nem sequer devia estar a dar luta? Sem saber ler nem escrever, estão a ganhar-te 2-0 aos 25 minutos após terem feito apenas dois remates à baliza. Tu, em oposição, levas 67% de posse de bola, 12 remates, dos quais 7 foram à baliza, e manténs-te constantemente à boca da área adversária. As coisas permanecem iguais até à segunda parte e estás furioso com os teus jogadores.
No recomeço da partida, finalmente consegues fazer um golo e saltas da cadeira. É agora. Pedes à tua equipa para sobrecarregar, ordenas que joguem com um ritmo elevado e escolhes a opção ‘rematar sempre que possível’. Depois de muita persistência, consegues empatar e marcar o 3-2 quase de uma assentada, acabando por vencer o jogo à justinha. Na tua cabeça, ouves pessoas a aplaudir. És o rei do futebol e ninguém te pode parar.

Bónus: Quando perdes a final da Liga das Campeões… #sqn

Não sabes bem como, mas estás lá. Estás na final da Liga dos Campeões. À tua frente tens o Real Madrid, Bayern de Munique, Barcelona, Manchester City ou outro ‘grande’ qualquer. A tua equipa tem qualidade, mas, quando comparada com a do teu adversário, é relativamente modesta. Ainda assim, não arredas pé.
Surpreendentemente, marcas primeiro e dominas os instantes iniciais da partida. Os teus jogadores estão com genica: ganham os ressaltos, metem passes a rasgar e conseguem fazer remates enquadrados com a baliza. Contra a corrente do jogo, o adversário acaba por conseguir empatar graças à qualidade superior dos seus jogadores. Tudo bem: ainda há a segunda parte e estás por cima.
Os segundos 45 minutos são duros. As equipas parecem estar mais equilibradas e o jogo não ata nem desata, permanecendo a igualdade no marcador até aos instantes finais do encontro. Fazes as tuas substituições na esperança de desencantar alguma coisa, mas está complicado. O relógio marca 89 minutos e já estás a fazer contas para o prolongamento… Até que eles ganham um livre direto perto da tua área. De olhos colados no ecrã, vês a bola a voar com uma trajetória estranha rumo à baliza. O ecrã ‘flasha-te’ na cara, os bonecos adversários entram num estado de euforia e o marcador assinala um resultado de 2-1.
*Alt + F4*
Não sabes bem como, mas estás lá. Estás na final da Liga dos Campeões.