Fitness Training

Boxe, o golpe final ao estilo de vida sedentário

© Jonathan Peterburs
O boxe praticado do ponto de vista do fitness está a fazer sucesso entre atletas de todas as modalidades e gerações.
Escrito por Adaptado equipa Redbull.ptPublicado a
É um desporto tão completo quanto polémico, no entanto a sua versão competitiva é prender dois homens (ou mulheres) num ringue e ... bem, já sabes. Embora o boxe tenha outros registos, as características de um treino completo, o exigente processo pelo qual o lutador passa antes de lutar.
Fitness Training · 3 min
Max Verstappen é apresentado ao treino de boxe
Já vimos isto mil vezes no cinema, a cena do Rocky a levantar-se quando ainda não tinham recolhido o lixo das ruas, os saltos frenéticos à corda, os socos nos pedaços gigantes de carne ... Aquele papel, adaptado ao século XXI e marcado pelas regras fitness, foi o que tornou a modalidade na preferência de milhares de pessoas no momento de ficarem em forma. Já é uma moda, como andar de bicicleta ou correr, então porque é que não tentas o boxe?
As academias mais emblemáticas recebem dezenas de pedidos todos os dias para começar a treinar os punhos, então não há ninguém melhor do que o responsável por gerir as aulas, Sergio Simón, sobre as vantagens de calçar luvas e começar.
Martín Giacchetta é um dos treinadores mais cobiçados
Martín Giacchetta é um dos treinadores mais cobiçados
“O boxe vai aumentar a nossa resistência, porque é o que precisamos para aguentar o exigente trabalho físico que exige. Outra habilidade física que vamos implementar é a agilidade e, claro, velocidade. Vamos trabalhar a nossa velocidade ao golpear, tanto dos braços como dos pés”, diz Sergio, que continua a aprofundar outras vantagens de escolher esta modalidade para nos mantermos em forma:“ Vamos adquirir muita coordenação e para isso é muito importante estar concentrado...agora entramos no campo dos outros valores; para ficar focado, preciso de esquecer a rotina e colocar a minha cabeça ao serviço do que estou a fazer, senão não vou conseguir fazer os exercícios como deve ser”.
Sergio alerta que, para progredir, não valem meias medidas: “Tens de ir às aulas regularmente, o que implica seres uma pessoa estruturada. Isto é muito mais do que uma atividade coletiva e, se eu faltar a uma aula, fico atrás dos meus colegas”. Para além de todas as vantagens físicas que o boxe dá, o treinador destaca: “Autoconfiança. Para mim é o mais importante, saber até que ponto tu és capaz de chegar” (e portanto fazer mal ou deixar que te façam, nos casos em que o contacto faz parte da rotina do treino, que nem sempre tem que ser assim).
Brincar ao boxe com a irmã, Alana Pacelli
Brincar ao boxe com a irmã, Alana Pacelli

Uma coisa que o boxe tem e muitos outros desportos não?

Sergio não hesita: “Coordenação mão-pé. Não se pratica boxe com as mãos, mas sim com os pés. E coordenação olho-mão (mão-olho), projetando onde queres bater. Tudo isto é muito trabalhado numa sessão”. Martín Giacchetta, confirma o que disse o seu parceiro (“vai trabalhar muitas qualidades que é impossível atingir com outras formas de preparação física e claro na sala de musculação”), define o boxe como “uma espécie de dança de autoconfiança, porque sei onde bato e onde recebo, o que é um impulso muito poderoso de autoestima. No dia a dia, quando encontras pessoas que lutam boxe, vês que são pessoas seguras, pessoas que caminham de uma determinada maneira pela vida.
Em relação ao treino em si, Martín sugere que “a parte física do boxe envolve influenciar todo o corpo, para cima e para baixo, continuamente. Isto é algo que eu, que não sou um defensor da hipertrofia muscular excessiva (o que é comum no mundo do fitness), adoro, porque o boxeador deve ser ágil e habilidoso para reagir ao segundo, arremesso, desviar...Isto, à medida que ganhamos muita massa muscular, torna-nos lutadores mais lentos. Pode até ver-se no boxe profissional, quando falamos de pesos pesados ​​e pesos leves, falamos de duas formas diferentes de boxe, mas mesmo os pesos pesados ​​têm qualidades que os atletas do mesmo porte que praticam outros desportos não têm”.
O boxe pode ser o teu novo vicio
O boxe pode ser o teu novo vicio
Martín lembra que na sua academia existem dois tipos de boxe, “o dos boxeadores, que se tocam um bocado e vão um pouco mais longe; e o do boxe eminentemente físico, em que conceitos de treino funcional se misturam com exercícios próprios da preparação de um boxeador, claro que sem contato” (esta última versão é a que está a causar furor entre os que decidem calçar as luvas).

Todos podem boxear?

Voltamos à conversa com Sergio: “Independentemente da idade ou do peso, duas pessoas podem ser compatíveis. Aquele com nível superior tenta ensinar o iniciante, o que também o faz melhorar, e quem sabe menos fico com o conhecimento necessário. Não interessa se és mulher, ou homem, destro ou canhoto ... Este é um dos aspectos mais bonitos deste desporto”