Red Bull Music Culture Clash Lisboa: Hosts & Crews
© Maria do Carmo Louceiro
Music

Crews + Hosts do Red Bull Music Culture Clash

Conhece as quatro crews e os hosts da batalha sonora que vai tomar conta do Coliseu de Lisboa no dia 2 de Março de 2018.
Escrito por Equipa redbull.pt
6 min readPublicado a

Crew 1 - CAPICUA E GUERRILHA COR-DE-ROSA

Capicua + Guerrilha Cor-de-Rosa
Crew 1
Liderada por Capicua, esta crew pega numa ideia que tem vindo a ser explorada na discografia da rapper portuense: “A Guerrilha Cor-de-Rosa" é um nome que já me acompanha há alguns anos. Começou por ser mencionada numa rima na mixtape 'Incendiários' (2009), depois passou a fazer parte da introdução da 'Maria Capaz' e acho que há muitas pessoas que associam esse conceito ao meu trabalho”. E que conceito é esse? Simples: “Basicamente é a força feminina, optimista e combativa com que me atiro para a frente em tudo o que faço e, desde sempre, teve um carácter inclusivo. A Guerrilha Cor-de-Rosa é de quem se quiser juntar”. E neste caso juntaram-se DJ D-One e M7, presenças habituais ao lado de Capicua nos palcos, e ainda Ana Bacalhau  que conhecemos de Deolinda –, a rapper angolana Eva Rap Diva, a soul diva Marta Ren e Blaya, a mulher que tantos concertos de Buraka Som Sistema arrasou. Mulheres e força. Mulheres com força. E com ideias, rimas e melodias, alma e groove. Mulheres – e um homem! – que partem do hip hop, mas abraçam o funk e a soul, abraçam a ideia da desgarrada tradicional e que não temem ir a jogo. “Temos mil ideias a fervilhar”, garante a líder. E não há como não acreditar.

Crew 2 - PAUS e PEDRAS

Paus + Pedras
Crew 2
Os PAUS, colectivo de Joaquim Albergaria, Hélio Morais, Fábio Jevelim e Makoto Yagyu, têm-se revelado um grupo incansável. Contam quatro álbuns no activo e muitas sessões públicas de porrada: porrada sobre a inércia e a imobilidade. E muita celebração, claro: da união e energia, da criatividade e festa, da cena tão natural e indizível que é a nossa. E que os outros já se habituaram a aplaudir. Eles reuniram as PEDRAS: DJ Glue e Mike El Nite, Holly Hood e Silk, quarteto poderoso de talento e força que combina bem com os homens de Clarão. Um DJ que sabe bem com quantas malhas se faz uma festa, dois MCs que são homens de palavra e de língua afiada, e um mestre de cerimónias que não faz cerimónia na hora de nos meter todos a dançar. Hélio Morais avisa que esta é uma crew “grave”. “Muito grave. Sempre tivemos synths com subs carregados, mas com o peso do rock. O Holly e o Mike movem-se no trap, o Silk é um homem do funk e o Glue é um DJ muito versátil em todos estes universos”. Estratégia para a grande batalha? Bem, a ideia é não abrir muito o jogo: “Para já temos andado a meter todas as ideias na mesa e começámos a definir a estrutura de cada round. E para isso...”, conclui Hélio Morais, “já andamos a dormir com o inimigo”. Ficam avisados.

Crew 3 - RICHIE CAMPBELL apresenta BRIDGETOWN

RICHIE CAMPBELL apresenta BRIDGETOWN
Crew 3
Richie Campbell é uma das vozes mais acarinhadas no nosso país. Homem que veio do reggae, que se move por modernos terrenos R&B e que está habituado a enfrentar – e sobretudo a conquistar – multidões de muitos milhares de pessoas. É o líder da Bridgetown, um colectivo criativo que nasceu na capital de Barbados, mas que se planta hoje de pés firmes em Lisboa, que também é, relembra Richie, uma Bridgetown. Neste colectivo integram-se os talentos de Mishlawi, General Gogo, Luís Franco Bastos, Ben Miranda, Dengaz, Plutonio, DJ Dadda, Dodas Spencer e Afonso Ferreira. “Acho que na Bridgetown vamos um bocado a todo o lado dentro da Black Music… desde Reggae a Dancehall, Hip Hop, Afrobeat…”, aponta Richie Campbell, abraçando todas as coordenadas que fazem vibrar o planeta com um pulsar irresistível. Com os diferentes membros da crew apostados em lançar novos trabalhos, a certeza é que argumentos não vão faltar no momento de pisarem o palco do Coliseu dos Recreios. E, garante Richie Campbell, “tenho a certeza que vamos estar preparados para ganhar”. Quem fala assim, não está para brincadeiras. Ou se calhar...

Crew 4 - RUI PREGAL DA CUNHA apresenta ULTRAMAR

Rui Pregal da Cunha apresenta Ultramar
Crew 4
É seguro dizer que Rui Pregal da Cunha foi um dos portugueses que inventaram o mundo em que vivemos agora. Fez isso à frente dos Heróis do Mar – um dos mais importantes grupos da modernidade pop portuguesa – que na sua incrível discografia explorou rock e dança, África e fado, electrónica e muita electricidade. Sempre com toneladas de originalidade. Agora, a ideia Ultramar é elevar a celebração original, “ir mais além”, como sublinha Rui Pregal. E, para isso, a união faz a força: a tripulação que navega neste Ultramar conta com os Capitão Fausto, Memória de Peixe e Throes + The Shine. Tudo gente que tem colhido os mais rasgados elogios da imprensa especializada, com muitas horas de voo em palcos de todos os tamanhos, dos mais suados e íntimos clubes aos maiores festivais. “O som da crew”, explica o timoneiro, “é respeitoso da sonoridade de cada um dos grupos que a integram, cada um deles escolhido a dedo para fazer um só momento desta batalha. Pode ser uma leve bossa, total freak-out ou uma zombada pesada, mas que mantêm o ADN dos seus participantes na re-interpretação de uns clássicos momentos sónicos”. Rui Pregal da Cunha anda a sonhar isto tudo como um dia sonhou com o futuro que temos hoje: “os treinos ainda não saíram da parte intelectual mas brevemente passarão para sangue, suor e lágrimas”. Vai ser épico!

HOSTS

Um tem o peso da experiência, o outro a leveza da frescura. Um a espessura da lenda e o outro a promessa do futuro. Ambos têm classe para dar e vender e um conhecimento profundo do Red Bull Music Culture Clash. Senhoras e senhores, os vossos hosts!
Carlão & Alex D’Alva Teixeira
Hosts
Alex D’Alva Teixeira foi apresentador, ao lado de Gisela João, da primeira edição Red Bull Music Culture Clash que teve lugar em 2016 no Coliseu dos Recreios, em Lisboa. A voz dos D’Alva espalhou ânimo, energia, boa onda e palavras de encorajamento na épica edição que deu a vitória ao Clube Atlas, crew comandada por Branko em que se destacou... Carlão! Nem mais.
O homem que jura viver para sempre - e nada indica que não tenha razão - fez carreira nos Da Weasel, renasceu nos 5:30 e nos últimos anos tem feito por recordar que somos “Os Tais”, num infeccioso cruzamento de hip hop e modernas cores africanas. Vai estar ao lado de Alex D’Alva Teixeira a orquestrar esta incrível segunda edição do Red Bull Music Culture Clash.
Explica Carlão, a propósito do seu companheiro de missão:
Enquanto músico, e pessoa, é muito ligado. Acho que vai fazer um bom trabalho na apresentação, como de resto fez na edição inaugural.
Carlão
Alex, por outro lado, remata com a certeza de quem já conhece os cantos à casa:
Nesta edição o espectro é muito mais alargado, as quatro crews trazem mais diversidade para a arena. A batalha será ainda mais renhida! Prevejo que será mais surpreendente, com muito mais diversão.
Alex D'Alva Teixeira
Mas há dúvidas?...